×

TIPO EM SUA PESQUISA E PRESSIONE ENTER

Carregando...

A história do Jardim João Chagas (ou Jardim da Cordoaria, como é conhecido)

Carolina Bessa Carolina Bessa

A história do Jardim João Chagas (ou Jardim da Cordoaria, como é conhecido)

O nome é Jardim João Chagas desde 1924.

Sabias que este é o nome oficial deste Jardim? É verdade e homenageia João Chagas, um escritor e político republicano, bastante crítico da monarquia, que foi o primeiro Primeiro-Ministro da I República Portuguesa. Contudo, este jardim que fica no Campo Mártires da Pátria, é mais conhecido pela designação Jardim da Cordoaria.

Tal como já é hábito, e para saciar o nosso desejo de conhecer mais e mais sobre a nossa cidade, após descobrirmos a histórias que nos são contadas pela rua Escura, o Campo 24 de Agosto ou a rua Santa Catarina, entre muitas outras, hoje dedicamo-nos a descobrir mais sobre a história deste jardim mítico e central da cidade Invicta.

Próximo dos Clérigos, da Livraria Lello e outros pontos de interesse na cidade, o Jardim da Cordoaria é, desde o século XIX, considerado um passeio público, título atribuído pela Câmara Municipal. Para além de ser um local central nos dias de hoje, também no passado este jardim teve grande importância. É esta história que vamos contar.

jardim da cordoaria
flickr.com/Eduardo Vales

Jardim da Cordoaria: a história deste nome e momentos importantes

O Jardim João Chagas é popularmente conhecido como Jardim da Cordoaria devido à atividade que lá se instalou durante cerca de 200 anos. Era neste local, apelidado na altura de cordoaria nova, que se encontravam os cordoeiros. Este nome manteve-se atual e ainda hoje chamamos Jardim da Cordoaria.

Antes dos cordoeiros, este jardim chamava-se “Campo do Olival” e ficou aqui instalada a Cordoaria do Bispo. Foi depois disto que este local começou a ser urbanizado e o Campo do Olival transformou-se em Alameda dos Olivais. Aqui realizavam-se feiras e mercados, tais como a feira de S. Miguel que se mudou, mais tarde, para a Boavista.

Por volta de 1865-66, começa-se um processo de transformação da Alameda num Jardim e é o arquiteto paisagista Émile David, também conhecido pelo seu projeto dos jardins do Palácio de Cristal, que fica responsável pela tarefa.

Depois de concluído, o Jardim da Cordoaria, caracteristicamente um jardim romântico, passou a ser mais frequentado pela burguesia da cidade.

Publicidade

Em 1941, um ciclone alterou a aparência deste jardim.

Ainda assim, este jardim foi sempre considerado importante para os portuenses e munícipes e em 2001 volta a ser alvo de uma remodelação. Mais ainda, a alameda de plátanos que lá encontramos é considerada, desde 2005 como de Interesse Público.

Uma montra de arte e história

Como vimos, a importância deste jardim é transversal ao tempo. Contudo, não é apenas devido à história, mas também à arte que lá encontramos que este jardim é tão mítico e emblemático.

Se passearmos pela Cordoaria conseguimos encontrar várias estátuas, tais como:

  • “A Flora”, de António Teixeira Lopes
  • O busto do poeta António Nobre, de Tomás Costa
  • Uma estátua de Ramalho Ortigão, de Leopoldo Almeida (escultor)
  • “Os Treze a Rir Uns dos Outros”, do madrileno Juan Muñoz
  • “O Rapto de Ganímedes”, de António Fernandes de Sá

Foto de capa: flickr.com/Porto Convention & Visitors Bureau

O Que Fazer